quinta-feira, 23 de março de 2017

Internet das Coisas e geração de novos negócios são os focos da 1ª edição do IoT Inter-sessions

CESAR e Porto Digital realizam no próximo dia 30 de março evento sobre a IoT no Brasil

Conectar os itens usados no dia a dia à rede de computadores. Isso apenas é possível por causa da Internet das Coisas (IoT), uma revolução capaz de tornar natural a conexão entre o mundo físico e o virtual. Sendo um dos focos de trabalho do CESAR, o instituto de inovação e o Porto Digital realizam no próximo dia 30 o evento IoT Inter-sessions. Para oExecutivo Chefe de Negócios do CESAR Eduardo Peixoto, a ocasião será de grande oportunidade para debater ações que influenciarão o desenvolvimento da IoT no país.

 Voltado para diferentes públicos e realizado durante todo o dia, o evento será norteado por três trilhas - tecnologia, negócios e empreendedorismo, numa fusão de duas iniciativas: o Intervalo CESAR, promovido pelo instituto de inovação, e a Jump Sessions, do Porto Digital. “Essa é grande uma oportunidade de avançarmos nas discussões sobre internet das coisas, já que, além de pensarmos conceitualmente na tecnologia, o Inter-sessions traz ao debate formas e caminhos de transformar essas tecnologias em negócios viáveis”, comenta Tarciana Andrade, coordenadora do L.O.U.Co, o Laboratório de Objetos Urbanos Conectados do parque tecnológico.

Peixoto também reforça o potencial de negócios do evento, além de explicar que é um momento único para a capital pernambucana, já que pela primeira vez a IoT será discutida com tanta força e no meio de tantos profissionais com representatividade local e nacional. “A Internet das Coisas é extremamente importante para a economia. Para se ter uma ideia da dimensão e importância do assunto, estima-se que a IoT irá gerar até 2025 um impacto mundial de mais de US$ 11 trilhões de dólares”, explicou.

 
Iniciando as discussões com o problema da Interoperabilidade

 Na parte da manhã, das 9h às 12h, os profissionais do CESAR Tiago Barros, coordenador do grupo de pesquisas em Internet das Coisas, e Daniel Pereira,consultor Interno em Sistemas Embarcados, irão discutir sobre uma das grandes dificuldades de difusão da IoT, que é a interoperabilidade de plataformas. Será apresentada a metaplataforma aberta de IoT do CESAR, o KNoT (http://knot.cesar.org.br/), que é capaz de interconectar as plataformas de IoT já existentes fazendo com que, por exemplo, em um sistema doméstico inteligente, a casa se ilumine antes da chegada do morador, ou a geladeira possa conversar com o fogão e comece a descongelar uma comida a ser cozinhada.

Nesta mesma trilha também será ministrado um Workshop hands-on do KNot.“Com o KNoT o usuário final poderá adquirir soluções de IoT por preços muito mais baixos dos que são praticados atualmente, além de desfrutar de funcionalidades até então inexistentes por falta de comunicação entre as diversas soluções disponíveis no mercado”, explicou Tiago Barros.

 
Políticas Públicas, Segurança e Privacidade em IoT: eixo central do evento

Durante toda a tarde, das 14h às 18h, as discussões serão direcionadas às políticas públicas para a difusão da IoT no país. Nomes como Maria Luiza Cunha, engenheira do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES); Thales Marçal, da Câmara de IoT do MCTIC; Kiev Gama, do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, e Sergio Soares, do ISI - Instituto SENAI de Inovação, estarão reunidos para participarem do Fórum “Políticas Públicas para a difusão da IoT no Brasil”. Evandro Hora, sócio da Tempest, empresa de segurança da informação, e Eduardo Magrani, da FGV Direito Rio, abordarão a questão de segurança e privacidade na era da Internet das Cosias no painel “Com tudo interconectado, como garantir a segurança dos sistemas e a privacidade dos usuários?”.

Neste momento serão discutidas a fundo estratégias de políticas públicas que possam beneficiar o Brasil e o coloquem no mesmo passo de potências de primeiro mundo no que se trata de IoT, todavia respeitando as peculiaridades do contexto do nosso país. Essa discussão foi iniciada no ano passado, com a elaboração do documento PoETAS.IT - Políticas e Estratégias para Tecnologias, Aplicações e Serviços para a Internet de Tudo - , criado pelo CESAR, em parceria com o TecnoPuc (Parque Científico e Tecnológico da PUCRS), o NGPD (Núcleo de Gestão do Porto Digital), a Porto Marinho e o CIFS (um think tank dinamarquês). Esse documento foi publicado no sitehttp://poetas.it.cesar.org.br, onde está sob licençacreative commons, aberto a receber sugestões de toda a sociedade.

 
Oportunidades de novos negócios

Para quem deseja aproveitar o evento como oportunidade de negócio, o melhor horário é das 18h às 20h. Neste momento, especialistas irão debater as “Oportunidades de Empreendimentos com a IoT”, tendo foco em saúde, educação, cidade e mobilidade. Para aquecer o bate-papo estarão presentes: Claudio Marinho, da Porto Marinho, que dará sua visão sobre oportunidades e problemas reais das cidades; Ângelo Leite, da Serttel, empresa que oferece soluções inovadoras para a mobilidade; o sócio da startup Epitrack Jones Albuquerque, falando sobre oportunidades em saúde; e Felipe Furtado, gerente da unidade educacional do CESAR, discutindo sobre oportunidades urgentes de formação de profissionais, para as mudanças trazidas pela IoT.

Para fechar o evento, às 20h o Porto Digital e o CESAR abrem o espaço para pitches de empreendimentos locais que utilizam fortemente IoT. “O alcance e potencial desses empreendimentos é global e iniciativas como o IoT Inter-sessions são importantes para que as empresas existentes, futuras startups e empreendedores sejam sensibilizados”, afirmou André Araújo, coordenador dos programas de incentivo ao empreendedorismo do Porto Digital.

As startups interessadas em apresentar seuspitches deverão se inscrever no linkhttp://bit.ly/iotintersessions e falar mais sobre como o empreendimento se encaixa no contexto de IoT. Os selecionados terão 5 minutos para apresentar a Startup e sua proposição de valor para o público do evento.

Para participar

Os interessados em participar do IoT Inter-sessionsdeverão se inscrever pelo endereço http://bit.ly/iot-intersessions. O evento é gratuito e restam poucas vagas. Os participantes poderão assistir todas as trilhas ou apenas uma, de acordo com o interesse. A expectativa é que mais de 250 pessoas passem pelo local.

Serviço

Endereço: Rua do Apolo, 235 - Bairro do Recife Antigo

Data: 30 de março

Inscrições gratuitas: http://bit.ly/iotintersessions 

terça-feira, 21 de março de 2017

Jovens de comunidades carentes de Poá terão chance de se qualificar para o mercado

Os últimos anos foram um verdadeiro pesadelo se tratando de mercado de trabalho. Muitos postos foram fechados e aqueles que estão desempregados encontram sérias dificuldades em se realocar.

Mas em meio a este cenário, há setores promissores, com previsão de crescimento e necessidade de mão de obra qualificada. Um exemplo é o setor de logística farmacêutica que, apenas no último ano, gerou 18 mil empregos, segundo estudo da NTC & Logística.
E foi justamente buscando capacitar novos profissionais para este setor que a RV Ímola, um dos maiores operadores logísticos da área de saúde do Brasil, reuniu jovens da ONG Gerando Falcões, sediada em Poá, na Grande São Paulo, para um curso especial de logística voltado para o mercado.

A ação envolverá 30 alunos, todos moradores das comunidades de Beverly Hills e Seringuera, que terão quatro meses de aulas gratuitas para uma grande oportunidade profissional. As aulas serão ministradas pelos próprios profissionais da RV Ímola. O aluno com melhor desempenho conquistará um posto como colaborador da empresa, enquanto os demais serão indicados para outras grandes companhias do mercado.

 “O setor tem crescido com o passar dos anos, tendo em vista a necessidade cada vez maior em relação à segurança das operações e processos, relatórios precisos, normas de rastreabilidade e legislações mais complexas e rígidas sobre alguns produtos”, destaca Patricia Moreni, diretora administrativa da RV Ímola. “O setor logístico consegue empregar profissionais de diversas áreas, inclusive com competências técnicas e comportamentais diferentes, o que é extremamente atrativo para os jovens”, complementa.

As aulas começarão no dia 1º de abril e serão ministradas às quartas-feiras até o fim de julho. A Gerando Falcões fica no endereço: Rua Niterói, 96 - Cidade Kemel, Poá - SP. O projeto pretende formar uma nova turma ainda neste ano e mais três em 2018. “A parceria com a Gerando Falcões é gratificante, já que a nossa empresa tem como missão gerar valor para a sociedade. Para os alunos, acredito que, além do aspecto técnico, que obviamente é extremamente importante e será abordado com propriedade, o contato com profissionais experientes, a troca de conhecimento, relacionada aos vários aspectos da trajetória profissional, serão de grande valia”, concluiu Patricia.

Sobre a RV Ímola
A empresa atua com excelência em todas as fases da cadeia de suprimentos, oferecendo serviços de inteligência, controle de qualidade e gestão para cada etapa do processo. Desenvolve também operações de gestão in house (dentro do cliente), para educação e transporte de materiais sigilosos que requerem extrema segurança e rastreabilidade. Para cada desafio, a RV Ímola constrói uma solução sob medida.

Desenvolveu ainda um modelo de software que se adequa aos demais sistemas utilizados nas empresas. Dessa forma, consegue trabalhar rapidamente com informações dos estoques dos clientes e elaborar controles não somente nos centros de distribuição do operador, mas em todos os polos de consumo hospitalar ou unidades básicas de saúde. Os serviços de inteligência também incluem uma central de informação em tempo real, 24 horas por dia, que proporciona ao cliente a segurança de se manter informado sobre todas as etapas da operação.

Atualmente conta com mais de 1 mil colaboradores diretos e centros de distribuição espalhados pelo Brasil. São mais de 150 clientes atendidos, dentre eles algumas das maiores indústrias farmacêuticas do País e secretarias estaduais de saúde.
Para outras informações acesse:  http://www.rvimola.com.br/

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Suape entra na luta contra o Aedes aegypti

Com informações da Assessoria de Imprensa

Com a chegada do verão, o aumento do número de casos suspeitos e confirmados de dengue é fatal. Com vistas à erradicação ao mosquito que também transmite a febre chikungunya e o zica vírus, o Complexo Industrial Portuário de Suape, localizado no município do Ipojuca, Pernambuco, está unindo forças junto aos seus colaboradores para combater o mosquito. Por isso, Suape lançou na última quinta-feira (07/01), uma campanha de enfrentamento ao mosquito, vilão perigoso que afeta a saúde pública no Brasil. A abertura da campanha foi marcada pela palestra de José Lancarte, diretor de Vigilância e Saúde do Município de Ipojuca que apresentou aos colaboradores as principais ações de combate ao mosquito e dicas simples como, por exemplo, não jogar lixo em terrenos baldios, limpar as calhas com frequência, retirar toda água de recipientes que possam representar um nascedouro para o mosquito.

As estratégias de combate ao mosquito foram montadas graças ao Plano Operativo de Combate ao Mosquito Aedes Aegypti, formado pela colaboração de todas as diretorias da Empresa, seguindo a determinação do Ministério da Saúde e da Secretaria dos Portos para todos os Portos do Brasil.

Uma equipe multidisciplinar formada por colaboradores da Empresa Suape e representantes da Prefeitura Municipal do Ipojuca estão visitando as empresas do território repassando dicas e alertas sobre o mosquito. A campanha terá continuidade no Porto de Suape com foco nos caminhoneiros e público local repassando dicas e alertas.

Em Pernambuco, o número de casos de dengue cresceu assustadoramente em 2015. Mais de 119.646 ocorrências foram notificadas em todo o estado, enquanto no mesmo período de 2014 foram 17.702 notificações. Já em Ipojuca onde o Complexo Industrial Portuário de Suape está localizado, 2.864 casos da dengue já foram notificados. Desse total, 173 casos foram confirmados e 428 casos foram descartados.

Trabalhando há anos no combate ao mosquito Aedes Aegypti, José Lancarte, Diretor de Vigilância e Saúde do Município de Ipojuca defendeu a importância de se ter a atividade de mobilização social para multiplicar a mensagem de combate. “Se todos sabem que o mosquito Aedes Aegypti é transmissor de doenças como a dengue, chikungunya e zika vírus esse mosquito não pode nem chegar a nascer. Mais de 90% de todos os focos encontrados do mosquito da dengue são encontrados ou em residências ou em ambientes de trabalho. Precisamos prevenir a presença de qualquer tipo de depósito que possa acumular água. Impedir que o criadouro exista por meio da limpeza permanente dos espaços é fundamental”, pontuou.

sexta-feira, 13 de março de 2015

A CRISE HÍDRICA E OS IMPACTOS NA LOGÍSTICA

Por: Décio Tarallo

Uma crise anunciada de falta de água nos faz imaginar a louça sem lavar, banho restrito e escovar os dentes com água mineral. Mas como a redução de água afetará nossas vidas em outros assuntos relacionados com nosso cotidiano?
A prioridade do fornecimento de água é o ser humano. Não podemos viver sem ela e sua restrição implicará em problemas de saúde, higiene e alimentação. Com o direcionamento deste recurso para o abastecimento mínimo das residências, haverá restrição severa nas atividades que se utilizam da água para geração de riquezas: agricultura, pecuária, indústria e serviços.

A Grande São Paulo é abastecida pelas áreas agrícolas do interior do Estado e outras regiões. Para o devido crescimento, a agricultura e a pecuária se utilizam de grandes quantidades de água para o desenvolvimento das culturas e para a alimentação animal. As captações nos rios e riachos ficarão mais restritas, o que implicará em menor produtividade agrícola e crescimento mais lento dos rebanhos, com menor oferta e consequentemente aumento de preços de verduras, frutas, carne, leite e seus derivados.

As indústrias dos Estados com deficiência hídrica também sentirão a crise, seja nos refeitórios e banheiros, como nas linhas de produção onde a água é fator primordial para os seus processos produtivos. Vamos a exemplos: em laticínios, além da redução do fornecimento do leite, os processos de produção de queijos exigem muita água, principalmente para limpeza e higienização. No transporte de carnes, os veículos devem passar diariamente por higienização de seus baús, sendo a água o elemento principal deste processo.

A não ser que as empresas contratem perfurações de poços ou comprem água de terceiros, poderá haver redução de produção, queda nas vendas, redução de empregos e até mudança da empresa para outros locais com maior disponibilidade de água. Este interesse em sair do Estado de São Paulo já é uma realidade em função de outros custos, como os trabalhistas, e a restrição da disponibilidade de água virá apenas acrescentar maior vigor para estas tendências. O abastecimento da população ficará deficiente se contar apenas com os recursos mais próximos. O transporte será a chave para minimizar os impactos da falta de produtos, trazendo de outros locais como o sul do país e do nordeste. Com o aumento da distância e por consequência do frete, o consumidor sentirá os preços subirem.

O transporte de água se intensificou desde 2014. Caminhões abastecem diariamente condomínios com água originada em distâncias de 200 km ou mais. O que no começo custava R$ 800,00 o caminhão pipa, dobrou de preço e deve aumentar ainda mais no período em que o rodízio for declarado.

Os hábitos das populações das regiões afetadas devem mudar. A refeição fora de casa devem diminuir, pois shoppings center e restaurantes poderão fechar, em função da limitação sanitária ou mesmo por não terem água para o preparo dos alimentos. Alimentos industriais prontos serão bastante procurados, pois não necessitam de cozimento e facilitam o consumo nas residências. Isto mudará o fornecimento das empresas de alimentos, com direcionamento de suas produções para itens mais práticos na alimentação. O planejamento logístico para abastecer os supermercados será primordial.

As indústrias já iniciaram a busca por alternativas: comprar água, poços, reuso. Porém, estas ações gerarão mais custos aos processos produtivos que serão repassados aos custos finais dos produtos.

A indústria química também faz uso da água em muitos de seus processos. O fornecimento de materiais de limpeza, por exemplo, muitos deles utilizam soluções com água, terão aumento de seus custos. Produtos que limpam “a seco” ampliarão seus mercados pela oportunidade do momento. Bacias e baldes já estão faltando nas prateleiras. Caixas d’água estão com promessas de 60 dias para atendimento.
A logística do abastecimento dos produtos deve mudar neste período de “seca”. Os hábitos da população se transformarão no consumo, nos serviços e no uso dos recursos disponíveis. Até a frequência de saída da população das capitais aumentará, para hotéis e casas no interior e litoral. Nestes locais, a gestão da água será um desafio também, pois haverá concentração de consumo nos finais de semana. Impacto nas estradas e na logística de abastecimento de produtos nos grandes centros e nas regiões de fuga da população.

A crise da água trará desafios aos governos e a população para lidar com situações que antes não aconteciam e agora aparecem como dificuldades novas no nosso dia a dia. Fazer o melhor com poucos recursos sempre foi o desafio das atividades logísticas nas empresas. A crise hídrica nos ensinará a economizar os recursos, a criar alternativas inteligentes para o reuso ou mesmo para a substituição da água em diversas etapas nas nossas residências, nas empresas e para os governos.
Planejar o abastecimento de água e seu uso, principalmente em hospitais, escolas e na manutenção da saúde pública será uma tarefa grandiosa e desafiadora. O planejamento logístico, principalmente em momentos de crise, é o método mais importante para viabilizar o abastecimento dos recursos sem desperdício e garantir o fornecimento dos produtos e serviços com o menor impacto possível para a população.


*Décio Tarallo - diretor da Prosperity Consulting -www.prosperityconsulting.com.br

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Cinco passos para ter seus produtos nas gôndolas em tempos de alta demanda

com infos da assessoria de comunicação

São recorrentes, neste período do ano, ventiladores, climatizadores e aparelhos de ar-condicionado desaparecerem das prateleiras devido às altas temperaturas enfrentadas pelo país. Em São Paulo, isso já está sendo observado.

Pesquisa elaborada pelo site comparador de preços Zoom aponta que a demanda de ares-condicionados, climatizadores e ventiladores subiu 286%, 188% e 222%, respectivamente, entre os dias 5 e 11 de janeiro, se comparados com o período entre 29 de dezembro de 2014 a 4 de janeiro. A pesquisa foi realizada com 300 lojas on-line, que respondem por 90% do varejo virtual. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o presidente do departamento nacional de ar-condicionado residencial da Abrava (Associação Brasileira de Refrigeração) afirmou que parte dos fabricantes já está quase sem produtos. A Via Varejo, empresa que administra as lojas das Casas Bahia e Ponto Frio informa que as vendas desses itens nos 12 primeiros dias do ano ultrapassaram a expectativa para todo o mês de janeiro.

São em períodos como esse que a assertividade do plano de demanda e a operação por parte do fornecedor tornam-se fundamentais na resposta a todo esse consumo elevado. Para não se tornar uma das marcas que podem faltar nas gôndolas, Camilo Manfredi, gerente de projetos em Supply Chain Management na NeoGrid, aponta cinco que itens precisam ser observados pelas empresas:

1.         Entendimento da demanda – De uma maneira bem prática, além de analisar o que aconteceu no mesmo período em anos anteriores e verificar o índice de crescimento anualizado ou mesmo do dia anterior, é necessário a inclusão de eventos como a crise hídrica que impactaria positivamente a previsão de demanda e por consequência o aumento nos volumes de reposição. Como sempre, ferramentas de previsibilidade de demanda e colaboração “interna / externa” fortalecem e solidificam os processos.

2.         Acordos de fornecimento – Entregar e receber a quantidade necessária quando se precisa é o objetivo. Quando o nível de serviço dos fornecedores é relativamente baixo, acordos de fornecimento, que contemplem um plano futuro de abastecimento podem minimizar o risco da falta e até eventuais multas por atrasos e não entregas. A gestão desses acordos deve ser facilitada.

3.         Gestão proativa dos estoques – O acompanhamento constante sobre os níveis de estoque é um diferencial e garante que os produtos estejam na hora, local e quantidade correta. A gestão proativa normalmente vai da inteligência de reposição ao monitoramento do processo por meio de indicadores de performance. Se o descolamento da venda diária em relação a previsão aumenta, uma rápida correção do plano de reposição é necessária.

4.         Velocidade na reposição dos centros de distribuição – Velocidade atualmente é imprescindível; uma rápida reposição proporciona uma combinação de baixo custo de estoque e alta disponibilidade de produtos. O conceito de agregação de estoque facilita a implantação dessa ação. É importante agregar o máximo de estoque no centro de distribuição e ter velocidade na reposição do que é vendido e planejado. A redução dos lead times” também é imprescindível.

5.         Agilidade na reposição das gôndolas – O resultado final não aparecerá se não houver agilidade na operação de reposição das gôndolas; em muitos casos, o produto pode estar na loja e não estar disponível e aos olhos dos consumidores. De nada adianta ter estoque diferente de zero se o item não estiver ao alcance do consumidor.

A combinação dessas cinco ações se torna um diferencial competitivo e fortalece as empresas no período de alta demanda e necessidade de reposição rápida e precisa. Não existe receita de bolo, mas planejamento e reação rápida é o primeiro passo rumo a resultados animadores.


AAPRJ realizará palestra sobre Direito Previdenciário


Com infos da assessoria de comunicação
Especialistas irão esclarecer dúvidas quanto aos direitos dos idosos
Com o objetivo de esclarecer diversas dúvidas quanto aos direitos dos idosos, a AAPRJ- Associação dos Aposentados e Pensionistas do Rio de Janeiro estará realizando no próximo dia 27, às 12h, uma palestra sobre Direito Previdenciário.
A intenção da palestra é oferecer aos participantes informações sobre seus direitos e deveres em relação à Previdência Social. Entre os temas que serão abordados, encontram-se concessão e revisão de aposentadoria, desaposentação, plano de saúde, PIS PASEP, FGTS e afins.
Além disso, os presentes poderão esclarecer suas dúvidas quanto ao requerimento dos benefícios: auxílios doença, invalidez, reclusão, pensão por morte, aposentadorias e salário maternidade.
“A palestra tem o objetivo de informar e conscientizar a comunidade sobre seus direitos e deveres Previdenciários. Contaremos com a participação de cinco advogados, e cada um produzirá um roteiro sucinto sobre um assunto" informou o Dr. Leandro Vicente, advogado da AAPRJ.
A palestra será aberta para todos os associados, bem como para o público em geral. A associação estará à disposição para atender quaisquer dúvidas e fornecer todo apoio jurídico necessário. Mais informações no site: www.aaprj.org.br
Serviço:
O quê: Palestra informativa sobre Direito Previdenciário 
Quem:
  AAPRJ- Associação dos Aposentados e Pensionistas do Rio de Janeiro
Quando: 27/02/2015 às 12h
Local: Sede da associação localizada na Rua do Acre, nº 83, 12º andar – Centro – Rio de Janeiro

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Dow cria solução sustentável para redução de poeira em estradas não pavimentadas

ENGCONTROL será apresentado durante a FENASUCRO, feira internacional de tecnologia sucroenergética, que acontece em Sertãozinho, interior de São Paulo

Com informações da Ascom

A Dow, provedora de soluções que impactam na qualidade de vida das pessoas, com atuação em diversos segmentos, entre eles, transporte e infraestrutura, traz para o mercado brasileiro a tecnologia mais sustentável de controle de poeira em estradas de terra, o ENGCONTROL.

A solução, com tecnologia Dow, será apresentada durante a 22ª edição da FENASUCRO, que acontece de 26 a 29 de agosto, em Sertãozinho, região nordeste do Estado de São Paulo. O produto, quando aplicado, permite redução de poeira por horas subsequentes nas estradas não-pavimentadas de alto tráfego, pátios, pilhas de estocagem, minas e portos.

Em um comparativo com o tratamento usual com a aplicação somente de água, as vantagens da tecnologia são a melhoria na performance e durabilidade para supressão de partículas finas, redução de riscos de acidentes devido à baixa visibilidade, menor impacto nas comunidades vizinhas, proteção da qualidade do ar e a redução do consumo de água, combustível e emissão de CO2.

“Com foco somente na economia de água e combustível já teremos um ganho em termos de sustentabilidade. A redução pode chegar a 75% do consumo de água, além disso, o produto agrega vantagens logísticas, de segurança e  saúde devido a melhora na  qualidade do ar, através da redução das partículas em suspensão provenientes do movimento dos veículos em estradas não pavimentadas,  além da diminuição de custos de manutenção de estradas e veículos, aumentando assim vida útil dos equipamentos”, afirma Daisy de Sanctis, líder técnica para a Dow América Latina.

SERVIÇO

FENASUCRO (Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética)
Local: Centro de Convenções Zanini
Endereço: Avenida Marginal João Olézio Marques, Chácaras Recreio Planalto, Sertãozinho - SP
Data: 26 a 29 de agosto de 2014         
Horário: das 13hs às 20hs
Site: www.fenasucro.com.br