sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Paralização dos metroviários do Recife interfere na Logística de Transportes

Fonte: Folha de Pernambuco (04.10.13)

Terminais movimentados e estações de portas fechadas em dia de paralisação do metrô

Grande Recife monta reforço e criação de linhas especiais de ônibus

04/10/2013 07:50 - Danúbia Julião, com informações de Nathália Guimarães e Junior Aguiar, da Folha de Pernambuco
Fotos: Arthur Mota
Estação Recife de portas abertas, teve uma manhã tranquila. PM faz a guarda do local
As paradas de ônibus e os terminais integrados do Grande Recife amanheceram mais cheios nesta sexta-feira (04). Com a paralisação de 24 horas dos funcionários do metrô, os usuários do transporte público têm que se aventurar para conseguir chegar ao trabalho. Mais de 300 mil pessoas usam diariamente o serviço.
No Terminal Integrado de Joana Bezerra, que recebe passageiros de toda a RMR, desde o início da manhã, a movimentação é intensa. Apesar disso, não se vê confusão ou tumulto. Funcionários do Grande Recife Consórcio de Transportes orientem os passageiros e muitos ônibus especiais chegam a toda hora, levando os passageiros ao TI Afogados e do Barro.
Terminais estavam mais lotados do que o normal
Já no TI de Jaboatão, a situação é bastante complicada. Passageiros estão irritados e alguns tumultos foram registrados durante a manhã. O que se vê no local são filas enormes e passageiros a espera de um ônibus há 5 horas. Segundo os fiscais do Grande Recife, o problema se dá devido a demora na volta dos coletivos, diante dos engarrafamentos. No TI circulam 26 ônibus que tem como principal destino o TI do Barro. Neste último, a situação é bem parecida. Filas enormes, mas o intervalo entre os ônibus é pequeno.
Na estação central do metrô, muitos usuários foram pegos de surpresa no início da manhã. Com faixas penduradas nas grades e as portas fechadas, o que se vê são apenas os funcionários do serviço de limpeza. No local também não se vê confusão. Os que chegam, logo seguem para o terminal integrado, em direção ao seu destino final.
    Em todas as estações, policiais militares estão de guarda, a postos, para manter a segurança. Os metroviários de Pernambuco se queixam do sucateamento do transporte e protestam contra a proposta Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), de privatizar e estadualizar o sistema.
    Estações estavam todas de portas fechadas
    Segundo a assessoria de imprensa da CBTU, não há nenhum documento sobre essa decisão e que as denuncias de sucateamento são improcedentes, alegando que 15 novos trens foram comprados e mais 9 VLTs, que circulam normalmente, atendendo a população.
    Por outro lado, o presidente Sindmetro, Diogo Morais, a informação foi repassada pela assessoria da presidência da república, em reunião realizada em Brasília. Após a paralisação desta sexta, a categoria pretende elaborar um documento relatando as insatisfações relacionadas ao sucateamento, ao Governo Federal, em Brasília, a ser entregue na próxima semana.
    Esquema especial
    Para tentar minimizar os transtornos causados pela paralisação dos metroviários, o Grande Recife Consórcio de Transporte montou um esquema especial. A estrutura de operação prevê o reforço e a criação de linhas especiais de ônibus nas áreas atendidas pelo metrô (tronco Centro e Sul).
    No total, segundo o Grande Recife, 21 linhas foram reforçadas para atender aos passageiros do metrô, entre elas quatro linhas especiais foram criadas para suprir as demandas do Barro, Joana Bezerra, Santa Rita, Aeroporto e Centro. Ao todo serão 232 veículos atendendo à população, 73 a mais que a frota utilizada nos dias normais.